ARACATI| Monumento aos aviadores alemães

Escrito por Segunda, 07 Agosto 2017 11:34
Publicado em Memória

Monumento erigido no extremo sul da Rua Cons. Liberato Barroso (atualmente Rua Cel. Alexanzito), imediações da Praça Cruz das Almas, Aracati, em homenagem aos aviadores alemães falecidos no desastre do Junkers D-218, a 25 de junho de 1923. Na bela coluna de mármore de três metros e meio de altura, liam-se estes dizeres: "a memória dos aviadores alemães que morreram aqui no vôo Cuba-Rio de Janeiro, WERNER JUNKERS, HERMANN MUELLER e WILLY THILL".

ARACATI | A lenda do morro

Escrito por Sábado, 05 Agosto 2017 19:18
Publicado em Memória

Nos morros do Cumbe e da Beirada, ouvem-se de tempos em tempos, fortes estrondos e ruídos confusos, acompanhados de ebulição e deslocamento das areias.

 

O barulho que se escuta, quando isto se verifica, assemelha-se ao tamborilar, surdo e desordenado, de caixas de guerra, ao longe.

As histórias da literatura brasileira categorizaram Adolfo Caminha como um autor contraditório, frágil e menor, talvez marginal se pensado em relação aos grandes nomes do período. Preferimos chamá-lo de um autor tenso. Tenso em relação às transformações que marcaram aquele “início” do século XIX, pois, ao mesmo tempo em que ele as louvava e pedia por elas, ele também as via com desconfiança, destacadamente no caso da entrada do Brasil no mercado consumidor de bens importados, que a seu ver ameaçava a cultura e os costumes locais, como é possível apreender da leitura de sua coluna intitulada de “Sabbatina”, no jornal O Pão, da Padaria Espiritual.

ARACATI | Os morros de areia

Escrito por Quinta, 13 Julho 2017 20:32
Publicado em Memória

No relato de Freire Alemão, percebemos que além dos canaviais, havia naquele período outro elemento muito marcante da paisagem, que foi definido pelo pesquisador como “monte de areia fina e clara sem nenhuma vegetação”33. O conjunto de dunas do Cumbe prendeu a atenção do grupo de estudiosos. Das duas aquarelas produzidas pela comissão retratando o local, uma ilustra as dunas.

Francisco Freire Alemão, estudioso que fazia parte da Comissão Científica do Império22, esteve de passagem pelo Cumbe em 1859 e retratou o lugar com detalhes em dois textos: “Passeio ao Cumbe” e “Visita ao Cumbe”23.

 

O ENFERMEIRO NO PODER

Escrito por Domingo, 16 Abril 2017 10:21
Publicado em Memória

Quando Mário Della Rovere chegou ao Aracati, jamais imaginou que depois de árduas travessias viesse ancorar em definitivo seu destino em terra aracatiense. Nascido em Alagoas, na capital Maceió, no dia 7 de Julho de 1917. Cedo Mário se mudou com seus pais, o descendente de italiano Ítalo Della Rovere e sua mãe Dª Alice Della Rovere paraense, para a cidade de Recife. Em Pernambuco, a família permaneceu algum tempo transferindo-se, em seguida, para o Rio de Janeiro onde se estabeleceram por uma temporada. Depois se mudaram para a Paraíba. Mário, então, já na época de prestar serviço militar, ficou na Paraíba onde serviu ao exército enquanto seus pais retornavam ao Rio de Janeiro.

Página 1 de 16

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
4
5