Edson Virginio: SEREI-A, 1995. Acrílico sobre tela, 80 x 126,5 cm. Acervo particular, Aracati-CE. Edson Virginio: SEREI-A, 1995. Acrílico sobre tela, 80 x 126,5 cm. Acervo particular, Aracati-CE.

LEITURA DE IMAGEM: SEREI-A

Escrito por  Sábado, 10 Dezembro 2016 00:00

Edson Virginio (Aracati-CE) conjuga em cores a obra Serei-a. A mensagem verbal, tal qual a imagética, revela-se revestida por jogos de sentidos. O verbo é a substância do sujeito em um jogo de espelhos e sentidos caleidoscópicos. Quem será ela, a fêmea mítica revelada em sinuosa imagem? Ela impõe-se enigmática assim como a esfinge.

 

As formas e as cores vibram e movimentam-se como iluminadas pelo sol dos trópicos ou enfunadas pelo vento de sua terra natal. A imagem e os sentidos projetados significam o todo e a parte ao mesmo tempo. A completude da obra constitui-se no ser mítico submerso em oceano de cores, enquanto a parte é a paisagem delimitada pelo entorno da figura. Esse jogo de sentidos pode ser notado no movimento ondulado dos cabelos da sereia. Ondas de cores, ondas do mar, movimento do vento, sinuosidade das dunas.

 

Enquanto o movimento emana a partir do olhar da nereida a observar frontalmente, a sua cabeça guia-o para além, até a diluição no infinito dilatado da zona alva situada por trás da calda da ninfa. Ali, outros caminhos vislumbram o corpo curvilíneo flutuante em ondas de cores complementares.

 

O traçado sinuoso sugere o canto sedutor da imagem a enlear o observador. Proposto como canto de sereia, em linhas e cores enredadoras, leva o olhar espectador a se perder no movimento cíclico da obra.

 

Os seios fartos sinalizam a fertilidade realçada pelo tom carnal predominante no corpo da figura. A vida ferve, tremula. Não há monotonia, é a vida que pulsa.

 

A imagem, debruçada sobre a idílica paisagem, olha atenta quem a observa. Instiga com seu esfíngico olhar verde-atlântico: - Decifra-me!

 

Serviço

Edson Virginio: SEREI-A, 1995. Acrílico sobre tela, 80 x 126,5 cm. Acervo particular, Aracati-CE.

 

EDSON VIRGINIO- Minha naturalidade fica no Litoral Leste do Estado do Ceará, conhecido como Costa do Sol Nascente, na cidade de Aracati. Produzi pinturas artísticas e enveredei-me pela escultura, ilustração e cenografia durante 25 anos. Na vida acadêmica, iniciei-me em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda, graduei-me em Letras, com licenciatura para o ensino de língua Portuguesa e Inglesa. Atualmente, sou pós-graduando em EAD – Tecnologias Educacionais, por acreditar que o educador do século XXI deve estar preparado e atualizado para o uso das Tecnologias da Informação. Atuando com revisão técnica e orientação de textos, sou Copydesk. Mas, se perguntarem o que sou realmente, eu afirmo que minha essência está na ausência de regularidade. Sou híbrido.

Avalie este item
(3 votos)
Lido 558 vezes Última modificação em Quinta, 22 Dezembro 2016 08:53
Marciano Ponciano Virginio

Sou natural de Aracati-Ce, terra onde os bons ventos sopram. Na academia da vida constitui-me poeta, realizador de sonhos, encenador de máscaras. Na academia dos saberes acumulados titulei-me professor de Língua Portuguesa e especializei-me em Arte-Educação. O projeto de vida é semear a arte por onde passe: teatro, poesia, artes plásticas- frutos da experiência acumulada em anos dedicados a ser feliz. Quando me perguntam quem sou - ator, poeta, encenador, artista plástico, educador? Afirmo: - Sou poeta!

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
6
7
13
14
20
21
27
28
30
31